Links às páginas Web anteriores do KKE

As páginas internacionais do KKE mudam gradualmente para um novo formato. Pode encontrar as
versões anteriores das páginas que já estão actualizados (com todo o seu conteúdo) nos links abaixo:

Sobre o acordo Grécia-FYROM (Antiga República Jugoslava da Macedónia)

O acordo entre os governos da Grécia e de FYROM foi conseguido com a intervenção aberta dos EUA, da NATO e da UE, tem o seu selo e foi assinado na base dos prazos e agendas que estas organizações determinaram, para que a integração euro-atlântica avance nos Balcãs Ocidentais.

Este objetivo deriva claramente do texto do acordo. Não é por acaso que os primeiros a saudar este acordo foram o Departamento de Estado, a NATO e a UE.

É por isso que todo o processo se concentrou na questão do nome do país vizinho, enquanto uma série de questões críticas, como a forma de combater o irredentismo, ou a de fazer as mudanças necessárias na Constituição desse país, não só são adiadas para um futuro incerto, como também a situação se torna mais complicada com a aceitação pelo governo grego de posições sobre “cidadão macedónio” e “língua macedónia”, posições que constituem a essência do irredentismo.

Por conseguinte, é um acordo que não garante uma solução favorável ao povo grego, ao povo do país vizinho, nem aos povos da região.

As proclamações do governo de que – supostamente – este acordo salvaguardará a paz, a cooperação e a estabilidade nos Balcãs e, mais amplamente, na região, são completamente falsas, enganosas e ignoram a história.

Negligenciam e silenciam conscientemente que a NATO e a UE são fatores de insegurança e de mudanças de fronteira, de fomento do nacionalismo e do irredentismo. Os povos dos Balcãs, em particular, têm suas próprias experiências negativas das políticas imperialistas, durante todos estes anos.

É silenciado que o rumo da Grécia, da Turquia, da Albânia, do Montenegro, da Bulgária e da Roménia na NATO e a expansão dos planos da UE coexistam com disputas fronteiriças, violações de derechos soberanos dos Estados, agitando até inexistentes questões de minorias, à custa dos povos da região. As relações entre a Grécia e a Turquia são o mais típico exemplo disso.

 Depois, silencia-se que a região, globalmente, está no centro do tornado das competições, e é por isso que as intervenções, o transporte de fortes contingentes militares, a instalação de novas bases militares etc. se estão a multiplicar. A adesão dos países dos Balcãs Ocidentais à NATO e à UE faz parte destes planos, no contexto das competições com outros Estados poderosos, como a Rússia.

O governo SYRIZA-ANEL transformou-se no melhor porta-bandeira dos planos da NATO e da UE na região, em benefício de setores do capital grego, que reivindicam maiores parcelas de lucro através da (re)partilha da região, dos saques e da exploração dos povos. É o outro lado das políticas antipopulares aplicadas no interior do país, que esmagam os rendimentos e os direitos do povo.

O SYRIZA, vestido com o manto do cosmopolitismo, absolve o papel do imperialismo, cultivando a ilusão de que o alargamento das organizações imperialistas estabelece a paz e a amizade dos povos. Para além da sua superficial objeção, o SYRIZA une-se e é auxiliado por forças nacionalistas que, apesar de reagirem negativamente a este acordo, não contestam a consolidação da NATO e da UE na nossa região.

O ΚΚΕ apela ao nosso povo e aos povos da região para reforçarem a sua solidariedade e luta comum contra os planos imperialistas, contra o nacionalismo, contra a NATO e a UE; este não é o momento para a complacência, como a que o governo está a tentar cultivar.

Atenas, 14/6/2018

Gabinete de Imprensa do CC do KKE